Seja antirracista!

Marcelo Ferreira Costa – Procurador do Estado e Diretor de Direitos Humanos da APERGS

A Consciência das pessoas pretas vem sendo despertada dia após dia quanto ao seu protagonismo na construção do Brasil. Porém, há que se focar na realidade de que jamais seremos uma Nação, enquanto o pensamento hegemônico seguir indiferente ao fato de que se deva reconhecer a influência dos povos de origem africana, não apenas culturalmente, mas em todos os campos da atividade humana.

Mais de 50% da população brasileira se autodeclara preta ou parda. Tal questão é bem mais profunda que a classificação da cor da pele. Significa que mais de 50% da população, de tal forma, é alvo potencial dos repetidos atos de discriminação que transitam entre subalfabetização, violência policial, exploração de mão-de-obra, e tantas outras aberrações que são, desafortunadamente, comuns em nossa sociedade.

Durante a pandemia da Covid-19, o elemento racial também se viu manifestar: relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostrou que os negros tinham 1,5 vezes mais chances de falecer pela doença, apesar desta ter prevalência entre os brancos. E mesmo a distribuição das vacinas ainda é muito desigual: enquanto países da Europa e da América já superam os 80% de imunizados, menos de 10% das nações africanas atingirão a meta de vacinar 40% de suas populações, pela ausência de imunizantes e seringas.

A designação da data como Dia da Consciência Negra, antipática àqueles que ficam na superficialidade e na ignorância, privilegiados pelo estado das coisas, é fundamental para o despertar dos demais atores da cena brasileira. Não há dúvidas de que a humanidade em estado perfeito será aquela que superar as questões raciais. Porém, há muito o que se fazer.

Pessoas de pele preta foram coisificadas para o enriquecimento de uma Europa mercantilista, que se fez do sangue derramado por seres humanos oriundos da África e escravizados. Pensar que isso seja coisa do passado é desconhecer o tempo das transformações culturais. A urgência do enfrentamento do racismo é para ontem! É preciso construir o futuro desconstruindo a lógica do passado.

Por isso, Dia da Consciência Negra, para que se desperte, verdadeiramente, a Consciência Humana! Mas, como está, falta muito! Não importa a cor da sua pele: acorde! E, como disse Angela Davis: numa sociedade racista não basta não ser racista, é preciso ser antirracista. Seja!